Colaboração entre Serviços para proteger as árvores antigas nos locais privados Árvores antigas de 500 anos incluídas pela primeira vez na Lista de Salvaguarda

   
Data de Publicação: 13/06/2020

No Antigo Templo de Kun Iam, duas árvores de Ameixa de Java (Syzygium cumini) com 510 e 490 anos de idade, respectivamente, têm ficado cada vez mais fracas nos últimos anos. Com o intuito de proteger as valiosas árvores, o Instituto para os Assuntos Municipais (IAM) está a cooperar com o Instituto Cultural (IC) para incluir ambas, e ainda uma Frangipana Branca (Plumeria rubra cv. Acutifolia) e uma Acácia de Vagens Brancas (Albizia lebbeck), sitas no mesmo templo, na «Lista de Salvaguarda de Árvores Antigas e de Reconhecido Valor», tornando-as assim no primeiro grupo de árvores antigas privadas que fazem parte da «Lista». Os dois Serviços planearam que, dentro do ano corrente, continuarão a incluir na mesma «Lista» mais de 60 árvores antigas sitas na Zona de Salvaguarda do Património Cultural e Religioso. Relativamente a essas quatro árvores antigas, especialmente sobre a protecção das duas árvores raras de Ameixa de Java, o IAM e o IC têm mantido contacto estreito com a Associação de Beneficiência do Templo Kun Iam Ku Mio. Espera-se que, com a celebração do acordo, da parte do Templo haja disponibilidade para transferir a gestão das árvores em causa para o Governo. O IAM já definiu propostas específicas para protecção das árvores. Depois de assumir a gestão das duas árvores, serão implementadas, de imediato, medidas globais para a sua recuperação, envidando os maiores esforços para prolongar a longevidade das respectivas árvores e salvaguardar um património cultural valioso. O Presidente José Tavares e o Vice-Presidente Lo Chi Kin, do Conselho de Administração do Instituto para os Assuntos Municipais, a Presidente Mok Ian Ian e a Vice-Presidente Leong Wai Man, do Instituto Cultural, estão presentes na conferência de imprensa onde será feita uma apresentação sobre a inclusão, pela primeira vez, das quatro árvores antigas e de reconhecido valor na «Lista» e a sua actualização. A «Lista de Salvaguarda de Árvores Antigas e de Reconhecido Valor» será promulgada na próxima semana. O Presidente José Tavares manifestou que o IAM tem dado sempre grande importância aos trabalhos de conservação de árvores antigas, procedendo anualmente à inspecção e avaliação da saúde das árvores antigas e de reconhecido valor constantes na Lista de Salvaguarda de Árvores Antigas e de Reconhecido Valor e tomando medidas de gestão e protecção devido ao estado de crescimento das árvores antigas. Nos termos da Lei de Salvaguarda do Património Cultural, os possuidores de árvores antigas e de reconhecido valor em espaços privados são responsáveis pela sua gestão e protecção. Entretanto, a sociedade espera que o Governo promova a inserção das árvores antigas sitas em espaços privados na Lista de Salvaguarda de Árvores Antigas e de Reconhecido Valor. Esta inserção, pela primeira vez, das árvores antigas particulares na Lista de Salvaguarda constitui, para o futuro, uma boa demonstração no âmbito do reforço da protecção das outras árvores antigas privadas de Macau. A Presidente Mok Ian Ian destacou que a integração das quatro árvores antigas do Antigo Templo de Kun Iam na versão actualizada da Lista de Salvaguarda de Árvores Antigas e de Reconhecido Valor é fruto da cooperação interdepartamental. O Antigo Templo de Kun Iam é uma construção do Património Cultural e consiste num espaço privado. Foi a primeira vez que as árvores antigas de um espaço privado foram abrangidas na protecção da lei, o que constitui um bom arranque na protecção do futuro das árvores antigas nas construções do Património Cultural. Seguidamente, o IC, de acordo com as disposições da Lei da Salvaguarda do Património Cultural, continua a manter uma colaboração estreita com o IAM, para promoverem juntos o trabalho de protecção das árvores antigas situadas em espaços públicos e privados. De acordo com a avaliação feita por especialistas, as idades das duas árvores de Ameixa de Java (Syzygium cumini) no Antigo Templo de Kun Iam são, respectivamente, de cerca de 510 e 490 anos, ou seja, em termos comparativos, apareceram 300 anos antes do ano de construção do Templo, atingindo o padrão nacional dos níveis I e II de classificação de árvores antigas, sendo, assim, muito preciosas. O IAM e o IC têm mantido contacto com o Templo, prestando pareceres técnicos no apoio à conservação de árvores antigas, e esperando que os proprietários possam melhor proteger as suas árvores antigas. A Associação de Beneficiência do Templo Kun Iam Ku Mio propôs, no ano passado, a remoção das duas referidas árvores devido ao seu tronco oco, que pode causar eventuais riscos. A fim de proteger, tanto quanto possível, as árvores antigas, o IAM e o IC iniciaram, de imediato, operações interdepartamentais de salvamento de árvores, e o IAM também providenciou, de novo, pessoal para proceder, in loco, ao teste profissional para a análise e avaliação do estado de saúde destas duas árvores antigas. Actualmente, as duas árvores antigas, no geral, não se encontram saudáveis, o seu ambiente de crescimento não é ideal, o centro de gravidade dos seus troncos é inclinado, há buracos em várias partes dos seus troncos, a sua saúde é fraca e a estrutura dos seus troncos, defeituosa. De acordo com os resultados do teste, o IAM elaborou um projecto de protecção de árvores específico, planeando, através da remoção de partes degradadas, da reparação de buracos das árvores, bem como da prevenção e controlo de pragas, proceder à recuperação e conservação parciais específicas e melhorar o ambiente do seu crescimento, para além da utilização de pavimento permeável em vez do existente chão duro e do reforço da capacidade de carga dos suportes, com vista a elevar a protecção integral das árvores.